sábado, 9 de janeiro de 2016

Ainda dá para ser...



Registros do que se foi, lembranças do que se era, para trás tudo fica guardado em caixas ou gavetas, nossas esperanças são traidoras, o recurso e desviar do acaso e ir em busca de outro lugar, onde a felicidade não seja tão efêmera, que o amor não seja tão fulgas e que seu semelhante apenas lhe veja pelo que és. 
Assim, torna se não só um retrato numa estante, mas entra para a história, distribua sorrisos, acorde alguém durante a madrugada, sempre de saudações a estranhos, faça que seus dias valem a pena e que sua passagem por aqui não seja um acúmulo de matéria.
Postar um comentário