sábado, 9 de janeiro de 2016

Voltar ao simples



De volta as coisas simples, a mesma simplicidade dessa vida efêmera, que por vezes insiste se em complicar, transforma lá tão complexa que nós, damos nós em nós mesmos. 
O que o belo reserva? Um sorriso, uma lágrima, uma lembrança, um sopro de vida. Mas de que se adianta, andar pelo mundo de olhos fechados? Abra os olhos cardíacos, aprecie na chama do fogo de que de lá virá o inesquecível cheiro de café fresco, jogue se nas labaredas das fornalhas, ao atravessar exalara o perfume das rosas!


Postar um comentário